segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Voto consciente


É muito comum ouvirmos que todos os políticos são iguais e que o voto é apenas uma obrigação. Muitas pessoas não conhecem o poder do voto e o significado que a política tem em suas vidas.

A importância do voto

Numa democracia, como ocorre no Brasil, as eleições são de fundamental importância, além de representar um ato de cidadania. Possibilitam a escolha de representantes e governantes que fazem e executam leis que interferem diretamente em nossas vidas. Escolher um péssimo governante pode representar uma queda na qualidade de vida. Sem contar que são os políticos os gerenciadores dos impostos que nós pagamos. Desta forma, precisamos dar mais valor a política e acompanharmos com atenção e critério tudo que ocorre em nossa cidade, estado e país.O voto deve ser valorizado e ocorrer de forma consciente. Devemos votar em políticos com um passado limpo e com propostas voltadas para a melhoria de vida da coletividade.

Como votar conscientemente

Em primeiro lugar temos que aceitar a idéia de que os políticos não são todos iguais. Existem políticos corruptos e incompetentes, porém muitos são dedicados e procuram fazer um bom trabalho no cargo que exercem. Mas como identificar um bom político?É importante acompanhar os noticiários, com atenção e critério, para saber o que nosso representante anda fazendo. Pode-se ligar ou enviar e-mails perguntando ou sugerindo idéias para o seu representante. Caso verifiquemos que aquele político ou governante fez um bom trabalho e não se envolveu em coisas erradas, vale a pena repetir o voto. A cobrança também é um direito que o eleitor tem dentro de um sistema democrático.Enfim, como vimos, votar conscientemente dá um pouco de trabalho, porém os resultados são positivos. O voto, numa democracia, é uma conquista do povo e deve ser usado com critério e responsabilidade. Votar em qualquer um pode ter conseqüências negativas sérias no futuro, sendo que depois é tarde para o arrependimento.

Política do professor


O estágio atual da humanidade globalizada é marcada pelo acelerado ritmo de padronização que leva o indivíduo a ser um receptor passivo de conteúdos elaborados. A educação, tem como vertente torna-se mais inquietante, especialmente para a categoria dos professores.
Professores como intelectuais transformadores faz evidenciar como a implementação da atual mudança pedagógica desafia os professores em quanto a sua intelectualidade transformadora. No papel de preparar cidadãos atuantes; a ameaça se manifesta por reduzi-los a simples tarefa de cumprir ditames e objetivos prontos, e lhes desafia a se organizarem com a finalidade de participarem em qualquer tentativa de reformar as escolas públicas.
Também professores transformadores, argumentam corretamente que perceber o professor como intelectual transformador é uma forma de considerar o real potencial da docência, ou seja, garantir a integração da implementação e execução curricular, significa encarar os professores como profissionais reflexivos com potencialidades de assumirem o responsável papel de influenciar na formação dos propósitos e condições de escolarização do ensinar e como ensinar. É de bom senso quando afirma que a pedagogia do gerenciamento suprime e controla a ação dos professores para obter resultados padronizados e previsíveis nos mais diferentes espaços escolares.
Nesse sentido os professores vêem desempenhando sua função social e não assumirem uma postura neutra quanto às injustiças sociais, políticas, culturais e econômicas que se manifestam dentro e fora da escola.

Avaliação

A avaliação é uma constante em nosso dia-a-dia. Não aquela que fazemos ou que estamos comprometidos a fazer quando nos encontramos na Escola, mas um outro tipo, como aquele em que avaliamos impressões e sentimentos. É assim que, nas interações cotidianas, em casa, em nossa trajetória profissional, durante o lazer, a avaliação sempre se faz presente e inclui um julgamento de valor sobre nós mesmos, sobre o que estamos fazendo, sobre o resultado de trabalhos. Na ação escolar, a avaliação incide sobre ações ou sobre objetos específicos - no caso, o aproveitamento do aluno ou nosso plano de ação.
Trazemos ainda uma forte marca norte-americana nas formas de trabalho, nos livros-texto, nas programações, nas ações de alteração curricular e, conseqüentemente, nas formas de avaliação. Vários autores conseguiram teorizar o cotidiano e a prática social, mostrando que as escolas possuem dentro delas, e a sociedade também, formas de resistência, no sentido de se oporem e recriarem a ideologia. Os professores não estão satisfeitos (salvo exceções) com a avaliação que fazem. Querem melhorar o processo de avaliação e, mais ainda, consideram que mudando a avaliação melhora-se a qualidade de ensino. Porque a avaliação é intrinsecamente ligada ao processo pedagógico que nós estamos desenvolvendo. A avaliação faz parte desse processo, mas não podemos fazer o caminho inverso - ter a crença de que mudando o processo de avaliação, exclusivamente, melhora-se a qualidade da Educação. A avaliação deve ser melhorada sim, mas dentro do conjunto das práticas educativas do qual ela faz parte. Sem isto, não tem sentido trabalhar especificamente sobre a avaliação. A avaliação está-se tornando o centro da aula, em torno do qual tudo gira. Só que em vez de centralizar a ação nos processos de produção de conhecimento, de ensino-aprendizagem que envolvem as pesquisas e as relações professor-aluno, tudo é voltado para a avaliação. Por que a avaliação se tornou uma prática educacional tão poderosa? Ela faz o quê? Ela se tornou uma prática ameaçadora, uma prática autoritária. Mas ela não é isoladamente autoritária. Ela o é, porque está no bojo de um conjunto, de uma Educação entendida como transmissora de informações, que é igualmente autoritária.
Trabalhar com avaliação é importante, no sentido de que a entendamos vinculada a uma prática educacional necessária para que se saiba como se está, enquanto aluno, professor e conjunto da Escola; o que já se conseguiu avançar, como se vai vencer o que não foi superado e como essa prática será mobilizadora para os alunos, para os professores, para os pais.

video

terça-feira, 23 de setembro de 2008

O que é Bullying?

O termo BULLYING compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.
Por não existir uma palavra na língua portuguesa capaz de expressar todas as situações de BULLYING possíveis, o quadro, a seguir, relaciona algumas ações que podem estar presentes:
Colocar apelidosOfenderZoar Gozar Encarnar Sacanear Humilhar
Fazer sofrer DiscriminarExcluirIsolar Ignorar Intimidar Perseguir Assediar Aterrorizar Amedrontar Tiranizar Dominar
Agredir BaterChutarEmpurrarFerirRoubar Quebrar pertences
O BULLYING acorre em toda e qualquer escola, não estando restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana. Pode-se afirmar que as escolas que não admitem a ocorrência de BULLYING entre seus alunos, ou desconhecem o problema, ou se negam a enfrentá-lo.
Seja qual for a atuaço de cada aluno, algumas características podem ser destacadas, como relacionadas aos papeis que venham a representar:
- alvos de Bullying - são os alunos que só sofrem BULLYING;- alvos/autores de Bullying - são os alunos que ora sofrem, ora praticam BULLYING;- autores de Bullying - são os alunos que só praticam BULLYING;- testemunhas de Bullying - são os alunos que não sofrem nem praticam Bullying, mas convivem em um ambiente onde isso ocorre.
.
O BULLYING já envolve cerca de: pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha, registra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grau admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana.
O levantamento realizado pela ABRAPIA, em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8a séries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelou que 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos em atos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores e 12,7% autores de Bullying.Os meninos, com uma freqüência muito maior, estão mais envolvidos com o Bullying, tanto como autores quanto como alvos. Já entre as meninas, embora com menor freqüência, o BULLYING também ocorre e se caracteriza, principalmente, como prática de exclusão ou difamação.
Quais são as conseqüências do Bullying sobre o ambiente escolar?
Quando não há intervenções efetivas contra o BULLYING, o ambiente escolar torna-se totalmente contaminado. Todas as crianças, sem exceção, são afetadas negativamente, passando a experimentar sentimentos de ansiedade e medo. Alguns alunos, que testemunham as situações de BULLYING, quando percebem que o comportamento agressivo não trás nenhuma conseqüência a quem o pratica, poderão achar por bem adotá-lo.
Alguns dos casos citados na imprensa, como o ocorrido na cidade de Taiúva, interior de São Paulo, no início de 2003, nos quais um ou mais alunos entraram armados na escola, atirando contra quem estivesse a sua frente, retratavam reações de crianças vítimas de BULLYING. Merecem destaque algumas reflexões sobre isso:
- depois de muito sofrerem, esses alunos utilizaram a arma como instrumento de "superação” do poder que os subjugava.- seus alvos, em praticamente todos os casos, não eram os alunos que os agrediam ou intimidavam. Quando resolveram reagir, o fizeram contra todos da escola, pois todos teriam se omitido e ignorado seus sentimentos e sofrimento.
As medidas adotadas pela escola para o controle do BULLYING, se bem aplicadas e envolvendo toda a comunidade escolar, contribuirão positivamente para a formação de uma cultura de não violência na sociedade.
Quais são as conseqüências possíveis para os alvos?
As crianças que sofrem BULLYING, dependendo de suas características individuais e de suas relações com os meios em que vivem, em especial as famílias, poderão não superar, parcial ou totalmente, os traumas sofridos na escola. Poderão crescer com sentimentos negativos, especialmente com baixa auto-estima, tornando-se adultos com sérios problemas de relacionamento. Poderão assumir, também, um comportamento agressivo. Mais tarde poderão vir a sofrer ou a praticar o BULLYING no trabalho (Workplace BULLYING). Em casos extremos, alguns deles poderão tentar ou a cometer suicídio.
E para os autores?
Aqueles que praticam Bullying contra seus colega poderão levar para a vida adulta o mesmo comportamento anti-social, adotando atitudes agressivas no seio familiar (violência doméstica) ou no ambiente de trabalho.Estudos realizados em diversos países já sinalizam para a possibilidade de que autores de Bullying na época da escola venham a se envolver, mais tarde, em atos de delinqüência ou criminosos.


.

video

terça-feira, 29 de julho de 2008

DIA DAS MÃES!!!


Maio é um mês de grande relevância para as escolas salesianas, pois é o mês que glorificamos MARIA, a mãe do filho de Deus e que se fez mãe de toda a humanidade. Dessa forma, desde a Escola Infantil buscamos mostrar a importância dessa mulher na vida de toda pessoa humana, visto que Ela é presença de amor pela vida a nos guiar e a mãe que não pode faltar! Dentro dessa vertente religiosa coube aos nossos pequeninos celebrar o último dia da novena em homenagem a Nossa Senhora Auxiliadora, cujo tema foi “Maria: a mãe de todas as crianças” (Lc 18, 15-17).
No dia 10 de maio, foi um dia muito importante para todos nós. As crianças fizeram uma linda homenagem para as mães, mulheres que transformam a vida de seus filhos no verdadeiro amor maternal. A Educação Infantil organizou para as crianças de todos os períodos, para desenvolvessem de uma maneira prazerosa, valorizando suas potencialidades para realizar as várias linguagens e situações de comunicação de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias, desejos e avançar no seu processo de construção de significados, enriquecendo e valorizando sua capacidade expressiva, respeito e participação. A apresentação para os dia das mães, teve como objetivo incentivar os alunos a não só declamar verso para suas mães, visando trabalhar a oralidade das crianças, apresentando teatro, a musicalidade, todos da escola infantil procurou valorizar os conhecimentos prévios das crianças, mas também toda a espontaneidade.
Samara e Thuanne

sábado, 19 de julho de 2008

PÁSCOA: amor e vida.


A páscoa é sempre muito esperada pelas crianças devido ao ovo de chocolate, porém eles aprenderam neste período o verdadeiro sentido da páscoa e o significado de alguns símbolos pascais:
O ovo simboliza o nascimento, a vida, o ressurgimento de Cristo e é um símbolo desde a Antigüidade, época em que já era costume presentear as pessoas, por ocasião da Páscoa, com ovos enfeitados e coloridos. Os ovos de Páscoa representam também o final da quaresma.
O cacau, cujo nome científico em grego é Teobroma Cacau, quer dizer: o néctar dos deuses. Seu sabor e sua força energética sempre foram reconhecidos em toda a Europa. Ao tomar o formato de um ovo, representou mais intensamente a força rejuvenescedora da vida. O ovo de chocolate é, portanto, o símbolo da vida.
Os coelhos surgiram como símbolos da Páscoa na época dos egípcios, pois representam a fecundidade e a reprodução constante da vida. Convém lembrar que, embora eles apareçam associados aos ovos, até hoje não se viu um coelho que botasse um ovo, muito menos de chocolate.
A cruz mistifica todo o significado da Páscoa, na ressurreição e também no calvário de Jesus Cristo. Desde a ano 325 d.C. é considerada como símbolo oficial do cristianismo.
O cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa. No Novo Testamento, simboliza Cristo que é o Cordeiro de Deus sacrificado em prol da salvação de toda a humanidade, seu rebanho.
O pão e o vinho eram, na Antigüidade, a comida e bebida mais comuns. Jesus Cristo se serviu desses alimentos para simbolizar sua presença constante ao instituir a Eucaristia. Assim, o pão e o vinho simbolizam o corpo e o sangue de Jesus e a vida eterna.
As vestes brancas usadas na celebração pascal retomam a passagem referente à transfiguração de Cristo (na qual as vestimentas de Jesus se tornaram resplandecentes de brancura.) O branco simboliza a pureza, a paz e a plenitude.
As velas são uma marca das celebrações religiosas pascais. Em certos países, os católicos apagam todas as luzes de suas igrejas na Sexta-feira da Paixão. Na véspera da Páscoa, fazem um novo fogo para acender o principal círio pascal e o utilizam para reacender todas as velas da igreja. Então, acendem suas próprias velas e as levam para casa a fim de utilizá-las em ocasiões especiais.
No Sábado Santo a celebração católica é iniciada com a bênção do fogo, chamado de "fogo novo".
O círio pascal é aquela grande vela decorada que tem a cruz como desenho central. Simboliza a luz dos povos, em Cristo. As palavras "Alfa e Ômega" nela gravadas querem dizer: "Deus é o princípio e o fim de tudo".
As crianças não ficaram só na teoria e prepararam uma linda apresentação interna, para comemorar esse dia tão especial mostrando tudo que foi aprendido neste período, e deixaram uma mensagem para todos de suam importância.
O sentido da páscoa é: Dizer sim ao amor e a vida; é investir na fraternidade, é lutar por um mundo melhor, é vivenciar a solidariedade.” AMÉM!
Thuanne Amorim e Samara Costa

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Projeto dengue da turma 23 / Tia Conceição


O projeto desse ano foi desenvolvido a parti da epidemia da dengue que motivou aos professores e alunos da educação infantil do CENSA está mais por dentro do assunto.
O projeto tem como nome “Xô mosquito! Dengue, to fora!”
As crianças foram bastante mobilizadas pelo assunto e participaram ativamente pela campanha.
Para trabalhar esse assunto com as crianças foi feito vários estudos, como por exemplo: palestras ministradas por agentes de saúde, amostras de larvas do mosquito, entrevistas, pesquisas, passeatas, entre outros, onde podemos averiguar que a criança teve a oportunidade de estar em contado direto com todo o movimento adquirindo a responsabilidade de cuidar do meio onde vive.
Sendo assim não tinha como escolher, privilegiar um assunto específico da dengue, não tendo então fio-condutor pois se faz necessário tudo que envolva a palavrinha DENGUE. Mas as crianças com o auxílio da professora levantaram alguns inquéritos:
Como nasce o mosquito da dengue?Quais cuidados devemos tomar?Qual é o tratamento?Como evitar a proliferação?Como o mosquito se desenvolve? Para obter todas essas respostas temos que correr atrás para isso foi realizado um roteiro de estudo:assistir a filmes;entrevistas;pesquisas na internet;palestras.O projeto teve como culminância uma passeata no interior da escola em diversas áreas da mesma com cartazes, mostra de larvas, mosquitos... para mostrar o que tinham aprendido com o projeto. Para essa passeata estávamos todos uniformizados com a camisa do projeto, boné escrito: Dengue, to fora! E algumas crianças vestidas de mosquitinhos.

Sem margem de dúvidas o projeto foi enriquecedor não só para as crianças, professores e estagiárias, mais com certeza para pais, familiares e a todos que puderam estar acompanhando mais de perto essa luta conta a dengue.

Thuanne Amorim e Samara Costa